Cistos e Tumores na Boca e Face

cistos-tumores-faciais-1024x683

Cistos e Tumores na Boca e Face

A face é uma estrutura complexa composta por diversos tipos de tecidos. Não mais simples, a boca é constituída por diferentes tipos de tecidos duros e moles, inclusive células que ajudam a formar os dentes e suas estruturas de suporte. Tamanha diversidade de estruturas faz com que a região bucomaxilofacial seja uma das mais acometidas por diferentes tipos de lesões, desde simples ferimentos como aftas, até lesões como cistos e tumores.

Como identificar a presença de um cisto ou tumor?

Cistos ou tumores são percebidos das mais diversas formas pelos pacientes ou pelo dentista. A pessoa pode sentir dor, ou perceber alguma parte “inchada” de seu rosto ou em sua boca, ou ainda pode haver o surgimento de uma infecção sem muitas explicações que na verdade é uma lesão infeccionada.

Outra forma bastante frequente é quando o dentista pede radiografias de rotina e encontra alguma imagem sugestiva de cisto ou tumor, mesmo que o paciente não apresente sintomas ou sinais no exame clínico. Diante desses casos, cabe ao Cirurgião Bucomaxilofacial examinar o paciente e as imagens de radiografia e tomografia solicitadas. Após isso será possível levantar suspeitas do que se trata a lesão.

Como saber se o tumor é benigno ou maligno?

Há alguns cistos ou tumores que se denunciam facilmente por adotarem um padrão de imagem na radiografia que tanto o cirurgião quanto o radiologista conseguem diagnosticar. Nesse momento também, muitas vezes é possível identificar características de malignidade (câncer) ou benignidade do caso. Estando descartadas as chances de malignidade, algumas suspeitas podem ser levantadas, mas  para a confirmação exata do que se trata, deve-se fazer uma biópsia. Caso o tumor seja identificado como maligno, o paciente é encaminhado a um cirurgião de cabeça e pescoço em Salvador.

Quais as formas de lesões benignas?

Os cistos e tumores benignos da boca e face podem ser divididos em dois grandes grupos: lesões agressivas e não agressivas.

As lesões não agressivas normalmente não recidivam após a sua completa remoção, ou seja, não costumam voltar após o tratamento. Nesses casos uma única cirurgia de remoção deve curar o paciente e se considerará resolvida a questão. Isso também implica que o tempo de acompanhamento após o tratamento é reduzido, devido justamente a pouca expectativa de recidiva. No grupo de LESÕES NÃO AGRESSIVAS estão muitos tumores e praticamente todos os cistos, com apenas uma exceção, o Ceratocisto Odontogênico.

Para o tratamento de uma lesão não agressiva, o que deverá ser levado em conta de fato é o tamanho da lesão, sendo cisto ou tumor, e se sua remoção implicará em alguma sequela, como por exemplo a lesão em um nervo, ou a fragilização da mandíbula.

No caso de uma de lesão muito extensa, esses riscos devem ser considerados pelo cirurgião e estratégias de reconstruções teciduais podem ser cogitadas, além de muitas vezes ser necessário o internamento hospitalar. A boa notícia é que as lesões de pequeno e médio porte normalmente são removidas sem grandes complicações.

As lesões agressivas, são assim consideradas quando têm algum grau de persistência e retorno mesmo após de removidas cirurgicamente. Estão entre elas o AMELOBLASTOMA, o MIXOMA, dentre outras. Para essas lesões a estratégia de tratamento deve incluir métodos mais radicais de remoção, principalmente se tratando dos dois tumores citados.

Eles podem atingir grandes proporções e apesar de benignos invadir as demais áreas da cabeça e face, levando até o paciente a óbito. Necessitam de remoção com margem de segurança e muitas vezes a cirurgia deixa sequelas perceptíveis, que devem ser minimizadas com técnicas de reconstrução. Com o adequado planejamento, utilizando as ferramentas tecnológicas mais recentes para a remoção da lesão e para a devida reconstrução, os resultados funcionais e estéticos são muito satisfatórios.

Vamos avaliar seu caso! Agende uma consulta.

Cada caso terá que ser avaliado separadamente. Há diversas possibilidades de lesões, proporções, formas de tratamento e condições para cada paciente envolvido, por isso uma consulta é essencial para um diagnóstico assertivo. Nós oferecemos tudo que você precisa em tratamento bucomaxilofacial, em Salvador.